Rede dos Conselhos de Medicina
Palestrantes debatem efeitos jurídicos da Covid-19 durante I Congresso Virtual Brasileiro de Direito Médico do CFM Imprimir E-mail
Seg, 30 de Novembro de 2020 12:37

Palestrantes e moderadores refletiram sobre os efeitos jurídicos da Covid-19

 O último dia do I Congresso Virtual Brasileiro de Direito Médico do CFM, realizado de 25 a 27 de novembro pelo Conselho Federal de Medicina, debateu os impactos jurídicos da covid-19 nas relações entre médicos e pacientes. Os conferencistas foram o coordenador dos Centros de Medicina Intensiva da Rede D’or no Distrito Federal (DF), Marcelo de Oliveira Maia, e o chefe da Seção de Antropologia Forense do Instituto Médico Legal do DF, Cristofer Diego Boraldi Martins. 


Na abertura do último dia do evento, foi lançado o livro “Direito Médico”, resultado das palestras realizadas durante o IX Congresso Brasileiro de Direito Médico, promovido pelo CFM em 2019. “É um livro que traz discussões interessantes oriundas da interface entre direito e medicina, como a judicialização da saúde, proteção dos dados do paciente e diretivas antecipadas de vontade”, adiantou a conselheira federal Rosylane Rocha, que coordenou o I Congresso Virtual Brasileiro de Direito Médico do CFM. O livro pode ser acessado aqui.

As palestras do último dia do I Congresso Virtual foram secretariadas pela 2ª secretária do CFM, Tatiana Bragança, e moderadas pelo conselheiro federal pelo Espírito Santo, Carlos Magno Dalapicola. “A covid tem muitos efeitos sobre a ética médica e vai influenciar enormemente as relações jurídicas. Ainda teremos de conviver com o vírus por muito tempo”, afirmou Dalapicola. Citando o sociólogo Zigmunt Bauman, Tatiana Bragança lembrou que a peste no século XIV fez com que o homem mudasse a sua forma de ver o mundo, sendo a mola propulsora do Renascimento no século XV. “Qual mundo será forjado pela covid-19? Ainda não sabemos”, raciocinou Tatiana.

Conferências – Segundo Marcelo Maia, no Distrito Federal os percentuais de infectados que necessitaram de internação são os mesmos dos demais locais: 14% dos infectados pelo Sars-Cov-2 foram internados, sendo que 5% precisaram de terapia intensiva. Maia também relatou o que a Associação de Medicina Intensiva Brasileira (Amib) fez para diminuir as pressões sobre os médicos que estavam nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), como a criação de protocolos e fluxogramas. “O nosso objetivo era amparar o médico que estava na ponta”, contou. Na fase mais crítica da pandemia houve a falta de suporte ventilatório e de medicamentos de analgesia, o que sobrecarregava os intensivistas.

“As posições das entidades médicas foram de cautela, num momento de dúvidas”, completou o conferencista Cristofer Martins, que também é conselheiro no Conselho Regional de Medicina. “Nem sempre é fácil, mas nós, como médicos, devemos sempre procurar a sombra da ciência”, argumentou. Martins argumentou que não cabe a omissão de socorro quando o médio não tem equipamento de proteção individual e de que a pandemia não pode ser justificativa para a redução de direitos individuais. Outro assunto abordado foi estabelecimento da causa da morte, para efeitos trabalhistas e previdenciários, quando o paciente falece após ter adquirido a covid-19, mas já não está com o vírus.

A advogada Sandra Dino, membro da Comissão de Direito Médico da OAB, foi uma das debatedoras da conferência. Ela prevê que em breve os tribunais começarão a julgar ações decorrentes de situações criadas pela covid-19, como a obrigatoriedade, ou não, da vacinação, além das relações contratuais. “O vírus mudou nossa forma de viver, o que trará reflexos para a medicina e o judiciário”, ponderou. O outro debatedor foi o médico e advogado Armando Vilar de Araújo, membro da Câmara Técnica de Direito Médico do CFM. “Haverá uma judicialização. Não só no embate entre a saúde coletiva versus a liberdade individual, como em outros aspectos, como na bioética”, previu.

O conselheiro Carlos Magno Dalapicola, que é médico do trabalho, acredita que a definição da covid como doença ocupacional será um assunto que terá de ser decidido pela justiça. Sobre esse assunto, Sandra Dino afirmou ser difícil localizar o lugar onde houve o contágio. Outro assunto levantado por Dalapicola foi que no auge da pandemia, os leitos destinados para cirurgias eletivas foram destinados para pacientes com covid, mas que agora esses leitos voltaram a ser ocupados, ao mesmo tempo em que o número de infectados começa a aumentar. “Haverá um choque”, antevê.

Diante do grau de incertezas, tanto os conferencistas, quanto os debatedores, enfatizaram a necessidade de radicalização no uso de máscaras e do distanciamento social, quando possível. “Manter medidas de isolamento e proteção individual não é restringir liberdades, mas evitar a disseminação horizontal”, defendeu Marcelo Maia. “O direito social deve ser colocado à frente do individual”, afirmou Cristofer Martins. “Ao direito individual, sobrepõem-se o direito coletivo”, disse Sandra Dino. “Distanciamento e máscara são fundamentais até que tenhamos uma vacina confiável”, ponderou Armando Araújo.

As palestras, na íntegra, podem ser acessadas aqui, no canal de youtube do CFM.

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner